Banner LG Evo_Julho 23
Banner Sarte_Wiim_Fever 24
Banner Imacustica Julho 22
Exaudio Jun 23
Banner vertical Ultimate Fever 24
Banner Imacustica Julho 22
Banner horiz Ultimate Fever 24

Advance Classic A10

Advance Classic A10

Miguel Marques

10 junho 2024

Música limpa, rápida e sem aditivos


Criada em meados dos anos 90, a Advance Paris é uma marca francesa que dispõe de uma longa gama de produtos, embora sejam os amplificadores que mais notoriedade lhe têm dado - notoriedade relativa, diga-se, não só porque não conhecia a marca até uma visita recente à Delaudio, mas também porque online quase não se encontram críticas, sejam escritas, seja no (inevitável) YouTube.

Foto 1__ADVANCE_CLASSIC_A10

Chega-me assim para teste o integrado Classic A10, com especificações muito interessantes: circuito híbrido (válvulas no prévio, transístores no amplificador de potência, como mandam as regras), entradas analógicas balanceadas e não balanceadas (embora o circuito não seja balanceado, o que significa que não há qualquer vantagem no uso da entrada balanceada), entrada phono (que não testei), saída para dois pares de colunas, saída de auscultadores, equalização e ainda um DAC da Sabre (ESS 9018), com várias entradas digitais, com particular destaque para HDMI ARC). Como potência de saída, temos 130 W a 8ohm e 190 W a 4ohm, o que será mais que suficiente na grande maioria dos casos - só salas muito grandes ou colunas muito ineficientes (ou que gostem de muita corrente) poderão necessitar de mais Watts. Tudo isto por menos de 2000 € - será bom demais para ser verdade? Vamos descobrir.

Começando pelo design, o A10 tem um ar algo industrial, a lembrar o futurismo dos anos 80 - com vuímetros em azul/roxo. Eu gostei, mas suponho que possa haver quem não concorde - o amplificador é também bastante grande, embora não muito pesado. O controlo remoto, apesar de ser em plástico, é bonito e funciona bastante bem, e a regulação de volume aparece-nos no ecrã (assim como a entrada que estamos a usar) e em decibéis, uma (feliz) raridade, que gostaria de ver mais vezes.

Foto 2__ADVANCE_CLASSIC_A10

Audições

O meu teste foi feito com um streamer Denon DNP-2000NE e umas colunas Sonus faber Lumina II, ficando o sistema total abaixo de 5 000 € - o que, para efeitos deste indústria, é um sistema relativamente barato. Comecei então o meu teste com o recém lançado disco Lovabye (2024, Criss Cross) do saxofonista tenor Gregory Groover Jr - que conta com uma formação mais alargada e foi por isso um bom teste inicial ao A10. A primeira surpresa que tive foi que o amplificador da Advance não corresponde à ideia que temos de um amplificador a válvulas - mais quente, com resposta mais lenta nos transientes e com um som com mais corpo, mesmo que por vezes algo artificial. Se me pusessem num teste cego, diria que se tratava de um amplificador totalmente a transístores e de Classe AB - o som é neutro e muito directo, com pouca ou nenhuma coloração, o que mostra que é muito mais a implementação do circuito do que a tecnologia (válvulas ou transístores) que conta. Mais do que conseguir ouvir qualidades, não consegui ouvir absolutamente nenhum defeito - todas as frequências estavam no lugar certo, assim como a informação espacial, com os muitos instrumentos a distinguirem-se sem nenhum problema. Também os timbres dos instrumentos, particularmente do vibrafone de Joel Ross, chegaram aos meus ouvidos exactamente como soam na vida real.

Foto 3 _ADVANCE_CLASSIC_A10

» Próxima página (Página 2 - 2/2)

Ajasom marcas 25-02-23
Banner Masimo_Marantz_Abril 2024

Conteúdo

Banner Ajasom Dez 2021

Outros conteúdos

Banner TCL Out 23
B&W Diamond Jan 2022
Marantz 70 anos